Dicas

FAÇA A MANUTENÇÃO PREVENTIVA E EVITE SURPRESAS DESAGRADÁVEIS

Não espere o seu ar condicionado parar de funcionar para procurar os centros especializados. Evite transtornos e oficinas lotadas. A Super Ar oferece a solução.

 

Faça a higienização e a troca do filtro antipolén regularmente, evitando o acúmulo de ácaros, fungos e bactérias. Proteja a sua saúde e a de sua família.

 

 

Recomendamos a troca do filtro antipolén a cada 10.000 km ou a cada 6 meses.

 

Além da carga de gás, da troca do filtro e higienização que são os serviços mais conhecidos, a troca da correia e do óleo do compressor são essenciais para o funcionamento perfeito do sistema. Faça a manutenção preventiva e evite surpresas desagradáveis.

 

Antes de utilizar o ar condicionado, abra as janelas do seu veículo e deixe o ar quente se dispersar primeiro. Desta forma estará dispersando também uma toxina denominada Benzeno que aumenta significativamente com a temperatura, atingindo níveis maiores em locais fechados  e sendo extremamente prejudicial a saúde.

 

PORQUE RODAR COM O AR CONDICIONADO LIGADO AUMENTA O CONSUMO?

 

Que rodar com o ar condicionado ligado consome mais combustível todos nós sabemos. O objetivo desse Post é explicar exatamente por que isso acontece...

O fato do consumo de combustível aumentar está relacionado ao acionamento do compressor do ar condicionado. Esse componente tem a função de comprimir o gás refrigerante ( por isso o nome de compressor ), fazendo-o circular por todo o sistema. É como comprimir o ar dentro de uma seringa...Trabalho aparentemente fácil, não? Mas experimente fazer isso centenas de vezes por minuto, ininterruptamente...

E é isso que o compressor faz - comprime o gás constantemente. O que é bem diferente de um ar condicionado residencial, onde o compressor liga e desliga, controlando a pressão e a temperatura do gás. No sistema automotivo, uma vez acionado o compressor, o mesmo é mantido ligado permanentemente, e o controle da temperatura e pressão é feito acionando o eletroventilador do radiador.

Então tá...se o compressor fica ligado constantemente o consumo é maior....correto? E se for criado um ar condicionado que liga e desliga o compressor teremos economia, não é mesmo? Bem...não é tão fácil assim...pois um sistema assim prejudicaria a dirigibilidade, porque a cada entrada e saída do compressor, sentiríamos um pequeno tranco, tornando o ato de dirigir uma situação enervante.

O que precisamos entender é que o consumo torna-se maior, pois o compressor precisa de força para comprimir o gás, e essa potencia é retirada do motor através de uma correia. Se a potencia do motor diminui, uma maior quantidade de combustível é injetada para compensar a perda, fato esse mais perceptível em veículos de baixa cilindrada, como nos motores 1.0 dos veículos populares.

O aumento no consumo pode chegar a até 10%, dependendo do veículo, mas pode ter certeza de uma coisa: O conforto proporcionado pelo ar condicionado compensa, com certeza !!
 

O QUE CAUSA O MAU CHEIRO NO AR CONDICIONADO?


Muitas vezes, ao ligarmos o ar condicionado, sentimos um mau cheiro saindo pelas aletas de ventilação. O odor desagradável, semelhante a algo podre, invade o habitáculo, incomodando o motorista e passando uma má impressão aos passsageiros.

Na verdade é difícil fugir desse problema. O mau cheiro ocorre em qualquer sistema de climatização, seja veicular, residencial ou industrial. As causas do problema são as mais diversas...mas, nesse Post vamos nos concentrar nas três principais ocorrências em um automóvel.

Um dos problemas mais comuns é o acúmulo de folhas no interior da caixa de ar. Isso ocorre normalmente em veículos que ficam estacionados embaixo de árvores. Essas folhas caem pelas entradas de ar na parte superior do capô, apodrecendo e liberando odores indesejados.

Outro grande causador de mau cheiro é a formação de colônias de bactérias sobre a superfície do evaporador. Essa região é favorável à proliferação de bactérias, por ser quente e úmida. E, por está relacionado a uma condição do próprio ar condicionado, é difícil de evitar.

Para finalizar, temos o Filtro de cabine que quando saturado de impurezas apresenta odores que são levados ao interior do veículo. A ocorrência desse problema é maior quando extrapolamos o prazo de troca do elemento filtrante, em torno de 30.000 km.


QUAL A FUNÇÃO DO ÓLEO NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO?

 
Pouca gente sabe, mas o sistema de ar condicionado de um veículo também precisa de óleo lubrificante. Isso mesmo, óleo.

Mas não é qualquer óleo. Na verdade chamar de óleo chega a ser até uma ofensa. É que esse lubrificante possui características tão especiais que o fazem único. Só para se ter uma idéia, esse lubrificante possui baixíssima viscosidade, permitindo uma lubrificação adequada. Uma propriedade interessante é a capacidade de se associar ao fluido refrigerante, sem reagir quimicamente. Isso permite que o óleo circule de forma mais eficiente por todo o sistema de refrigeração. Outra característica importante é o fato de não congelar, mesmo em baixas temperaturas. E por último, sua composição química evita reações químicas com os anéis de vedação de borracha. Há, tem mais uma - o lubrificante forma uma película protetora nos dutos internos de alumínio evitando a oxidação, e consequentemente furos que venham a provocar vazamentos.

Depois desse parágrafo você deve ter ficado de boca aberta, tantas são as qualidades desse lubrificante. Mas para que serve mesmo? Bem, no sistema de climatização veicular, o Compressor é o único componente dotado de peças móveis. Internamente é composto por pistões e válvulas que comprimem o fluido refrigerante, aumentando sua pressão e temperatura. Esses componentes, para evitar desgaste, precisam de lubrificação. E é aí, literalmente, onde entra o lubrificante.

Mas existe um lubrificante para cada tipo de sistema. O Sistema R12, por exemplo, utiliza lubrificantes de base mineral, enquanto o sistema que o adota o gás HFC R134 faz uso de óleos de base sintética. Esses lubrificantes, devido a propriedades distintas, não devem ser misturados, ou mesmo terem suas aplicações invertidas, sob o custo de danos irreparáveis ao compressor.
 

ANDAR COM OS VIDROS ABERTOS ECONOMIZA COMBUSTÍVEL?

 

Andar com os vidros abertos economiza mais do que andar com o ar condicionado ligado?

Bem, depende. Digo isso porque existem aí duas variáveis: o arrasto causado pelos vidros abertos e o consumo extra gerado pelo próprio ar condicionado.

Imagine que você está rodando em uma estrada. A velocidade do carro é elevada, logo andar com os vidros abertos nessas condições provocará uma forte turbulência que aumentará o arrasto aerodinâmico. Os vidros abertos permitirão a entrada do ar, mas não o deixarão sair, agindo como um grande pára-quedas, gerando uma grande força atuante no sentido contrário ao movimento do carro. Isso resulta em mais combustível consumido pelo motor.

Observe que os carros produzidos na década de 1980, tinham as janelas basculantes nos vidros traseiros. Como naquela época boa parte dos veículos não possuía ar condicionado nem como opcional, sua função era permitir a saída do ar com as janelas abertas reduzindo a turbulência e buscando um pouco mais de economia.

Você não sabia disso? Pois é tudo num carro tem uma função específica. Mas voltando ao assunto, estudos mostram que ao rodar acima de 80Km/h o arrasto é tão grande de não compensa manter os vidros abertos. Nessas condições o consumo pode aumentar entre 10 a 12% !!

Hoje em dia, como quase 70% da frota nacional já sai de fábrica com ar condicionado, a coisa mudou de figura, pois andar com os vidros abertos perdeu um pouco o sentido.... Com o ar condicionado ligado, além do conforto térmico, você tem um menor nível de ruído causado pela vedação à passagem do vento. Isso melhora a aerodinâmica em velocidade, reduzindo o consumo.

Mas, com o carro na cidade, no transito lento, a velocidade do ar pouco irá influenciar no consumo, enquanto que o funcionamento do ar condicionado irá exigir do motor em torno de 10% mais de combustível. Nessa condição vale a pena abrir os vidros e desligar o ar condicionado para economizar?

Quer que eu seja sincero? Mantenha o ar ligado, na cidade ou na estrada !!! O consumo causado pelo sistema de ar condicionado é compensado pelo conforto gerado, além é claro, pelo fato de ser mais seguro andar com as janelas fechadas na cidade!!!

 

O QUE É AQUELA AGUA QUE PINGA PARA FORA DO CARRO?

 

Quem nunca foi questionado sobre uma poça de água que se formou embaixo do carro? Seria um problema no radiador ou uma mangueira estourada? Alguns motoristas ficam intrigados com o suposto vazamento.

Mas não há motivo para sustos. O que acontece na verdade é um dos fenômenos mais corriqueiros de nosso dia-a-dia. O pinga-pinga nada mais é que condensação, e é o resultado de uma troca térmica entre a umidade presente no ar e as partes frias do sistema de ar condicionado.

É que, assim como um copo de cerveja gelada “sua” sobre uma mesa na beira da praia, o ar, ao entrar em contato com o evaporador do ar condicionado no interior do painel, cede calor, resultando na condensação do vapor de água.

Dependendo da umidade relativa do ar na ocasião, o acúmulo de água na parte inferior do painel é considerável. Por isso, um pequeno dreno no fundo do painel direciona a água condensada para o exterior do veículo através de uma pequena mangueira flexível.

Com o motor em funcionamento e o ar condicionado ligado percebemos o gotejamento por baixo do carro. Esse efeito é bem mais perceptível em cidades litorâneas, onde a umidade relativa é maior, sendo menos percebido em cidades de clima seco.

Portanto, o gotejamento deve ser considerado normal, sendo um indício que o dreno está desobistruído e a mangueira está removendo o excesso de água do interior da caixa de ar.

 

GÁS DO AR CONDICIONADO TEM PRAZO DE VALIDADE?

 

Qualquer automóvel possui um Manual do proprietário com um plano de manutenção onde a montadora recomenda o momento da substituição de alguns componentes. Há indicação de período de troca do óleo, correias, filtros, velas... Mas e o fluido do ar condicionado? Não existe recomendação de troca?

Bem, essa informação nunca será encontrada no manual de um veículo, pois o fluido refrigerante não tem prazo de validade! É que no interior do sistema de ar condicionado o fluido sofre apenas transformações físicas, de líquido para gás, e de gás para líquido. Nesse caso, as propriedades do fluido são mantidas, eliminando a necessidade de troca.

Explicando melhor. Quando queimamos uma folha de papel o estamos transformado em cinzas. Mas das cinzas não posso obter papel. Esse é um exemplo de transformação química, onde as características de um material são alteradas permanentemente. Já numa transformação física, essas características e propriedades são mantidas. A água, por exemplo, quando colocada no congelador muda do estado líquido para sólido. Mas continua sendo água. Se derretermos o gelo obtemos novamente água no estado líquido.

E é exatamente isso que ocorre como o fluido refrigerante. Dependendo da pressão no sistema, o fluido irá se tornar líquido ou gasoso, infinitas vezes, sem alterar suas características.

Observe ainda que é incorreto chamar o fluido refrigerante de Gás, pois, como vimos o seu estado físico muda de acordo com a pressão do sistema. E, antes que alguém pergunte, apenas utilizei o termo “Gás” no título do Post por ser mais popular.

Vimos então que não há prazo para troca do fluido refrigerante. Esse período é indeterminado. Se não houver vazamentos ou contaminação do fluido, pode ter certeza que irá durar mais que o próprio veículo !! Porém, é recomendado, ao menos uma vez ao ano, reciclar o “gás” para eliminar umidade e impurezas do sistema.
.

COMO FUNCIONA O AR CONDICIONADO VEICULAR ?

 

Neste Post vamos explicar o funcionamento de um ar condicionado veicular partindo do princípio de que o fluido refrigerante utilizado apresenta características físico-químicas específicas, tendo sua aplicação limitada a sistemas de refrigeração e climatização. Esse fluido, erroneamente chamado de gás, muda de estado físico, passando do estado gasoso para líquido e do líquido para o gasoso, de acordo com as condições de pressão e temperatura do sistema. Atualmente, utiliza-se o fluido refrigerante R134-A tido como ecológico por não afetar a camada de ozônio, em substituição ao fluido R12.

Para que o fluido circule pelo sistema é necessário utilizar um compressor. Esse dispositivo está fixado por um suporte ao lado do motor e ligado a ele através de um sistema de polia e correia. Uma vez acionado, o compressor gera uma diferença de pressão no sistema aspirando e comprimindo o fluido constantemente, elevando sua temperatura e pressão.

Após a compressão, o fluido ainda no estado gasoso, é direcionado através de tubulações de alumínio para o Condensador que é uma espécie de trocador de calor localizado na dianteira do veículo, à frente do radiador do motor. Essa posição privilegiada permite uma eficaz troca térmica com o ar, retirando calor do fluido refrigerante, baixando assim sua temperatura.

Ao sair do Condensador o fluido agora no estado líquido, mas ainda sob elevada pressão, passa por um filtro chamado de “Filtro secador” cuja função é reter partículas de impureza, impedindo que as mesmas danifiquem outros componentes do sistema, além de absorver a umidade presente no fluido.

Uma vez limpo, o fluido, ainda líquido, é direcionado para a válvula de expansão onde ocorre uma brusca variação de pressão e conseqüente queda de temperatura. Essa condição, conhecida como expansão, transforma o fluido em gotículas microscópicas semelhante a névoa de perfume exalada por um desodorante spray.

Dentro do evaporador essa névoa de fluido circula por um caminho tortuoso, formado por pequenos tubos de alumínio curvado. Nesse momento o ventilador do painel do veículo lança uma massa de ar que foi retirada do habitáculo ou do ambiente externo. O ar, por estar mais quente que o fluido, sede parte do seu calor e umidade, transformando o fluido novamente em gás.

É essa massa de ar, que ao fornecer calor ao fluido, sai dos dutos de ventilação, refrigerando o interior do veículo.

DIMINUIR A VELOCIDADE DO AR CONDICIONADO REDUZ O CONSUMO?

 
O tema do Post de hoje pode não parecer tão interessante, mas experimente levantar o assunto numa roda de amigos para surgirem as mais diversas teorias. Digo isso porque tenho percebido a algum tempo que muitos motoristas dirigem seus carros, mesmo em dias quentes, com o seletor do ar condicionado na posição “ 1 “ ou “ 2 “. - “É pra economizar combustível” – diz a maioria!!

Nós motoristas sempre associarmos velocidade a consumo. Quanto mais rápido o carro anda, maior será o consumo de combustível. Até aí tudo bem, mas não há relação direta da velocidade do ar condicionado com o consumo. Para o motor é indiferente se você mantém o botão na posição “4” ou na posição “ 1 “.

Explicando melhor, o seletor de velocidade do ar condicionado define apenas a rotação do ventilador da caixa de ar, ou seja, quanto maior a velocidade do ventilador maior o fluxo de ar saindo pelas aletas de ventilação. Portanto, a velocidade do ventilador em nada interfere no consumo.

O aumento do consumo de combustível está diretamente relacionado ao acionamento do compressor do ar condicionado. Uma vez ligado, o sistema aumenta um pouco o consumo de combustível por exigir um esforço maior do motor.

Algumas pessoas defendem a afirmação de que quanto maior a velocidade do ventilador maior a corrente elétrica gerada pelo alternador. Daí o aumento no consumo de combustível. Devo admitir que o raciocínio está correto, mas temos que levar em consideração que o aumento do consumo de corrente elétrica para acionar o ventilador é tão pequeno que pode ser considerada desprezível, não influenciando em nada no consumo.

QUAL É O CORRETO? DEIXAR A RECIRCULAÇÃO DO AR CONDICIONADO LIGADA OU DESLIGADA?


Como já foi explicado no Posts anteriores, o Sistema de Climatização do veículo aspira o ar externo, resfria e o conduz ao interior do habitáculo utilizando um ventilador elétrico montado dentro no painel. Porém, em algumas condições é interessante impedir a entrada do ar externo, trabalhando apenas o ar interno do habitáculo.

Esta é a função do Recírculo, um dispositivo bastante simples, constituído basicamente por uma portinhola montada na entrada de ar do painel, sendoacionada por um botão. Sua função é permitir ou não a passagem do ar externo para o interior do veículo.

Se não existisse o Recirculo teríamos dificuldade em nos manter por muito tempo atrás de um caminhão, ou mesmo em um engarrafamento dentro de um túnel, pois toda a impureza do ar externo seria direcionada para o interior da cabine. Sabendo disso, devemos manter sempre o Recírculo acionado, ou seja, com a portinhola fechada.

Mas, não é apenas como o objetivo de impedir a entrada de poeira e fumaça proveniente de locais mais poluídos que devemos utilizar o recírculo. Se o mantivermos acionado o Ar Condicionado estará trabalhando apenas com o ar interno do habitáculo, o que favorece o rendimento térmico do Sistema.

Recomenda-se, porém, desligar o Recírculo por alguns segundos, uma ou duas vezes ao dia, para promover uma renovação do ar do habitáculo, evitando o ressecamento das vias respiratórias devido à redução da umidade do ar, mas também não é nada que exija uma atenção especial.

APRENDA A IDENTIFICAR VAZAMENTO DE GÁS NO AR CONDICIONADO

 
O objetivo deste post é esclarecer o que pode estar relacionado com a perda de eficiência do sistema de ar condicionado.

- Funcione o motor e ligue o botão do ar condicionado. Após um ou dois segundos devemos escutar o acoplamento da embreagem magnética do compressor. Um ruído semelhante a um " plac". O não atracamento do compressor é um forte indício de quantidade insuficiente de gás refrigerante.

- Ainda com o motor funcionando, verifique se o compressor entra e sai, repetidas vezes. O acoplamento e desacoplamento da embreagem do compressor também é um forte indício de gás em excesso ou em falta.

- Agora, se ao ligar o ar condicionado você percebe um cheiro diferente no interior do carro, isso é vazamento na certa. Principalmente, pelo evaporador, que é um componente do sistema que fica por trás do painel. É que o gás possui um odor característico, sendo percebido nos primeiros instantes de funcionamento. É difícil descrever o odor, mais um técnico especializado com certeza é capaz de identificar.

- Para ser caracterizado o vazamento é preciso que a perda de eficiência seja gradativa, deixando aos poucos de resfriar. Pois quando há vazamento, a perda de gás é lenta...reduzindo a eficiência gradativamente. Já no caso de um problema elétrico, a perda de eficiência é instantânea.

Se o seu carro se encaixa em uma das questões acima é indício de vazamento. Nesse caso, o recomendado é dar uma nova carga de gás, acompanhada por um líquido especial chamado contraste. Esse líquido permite identificar vazamentos quando exposto à luz ultravioleta.

 

O ar condicionado automotivo deixou de ser um artigo de luxo e passou a ser necessidade básica nos dias atuais, onde a prioridade é o conforto e a segurança.

Respeito ao meio ambiente

A Super Ar utiliza o equipamento de reciclagem do fluído refrigerante, impedindo o contato do mesmo com a atmosfera, evitando desta forma a destruição da camada de ozônio.
O sistema de ar condicionado automotivo está aliado a um processo mecânico de refrigeração, o que lhe difere dos sistemas convencionais de ventilação, proporcionando uma agradável sensação de frescor e bem estar dos seus usuários.